sexta-feira, 7 de abril de 2017

Metrô de Salvador registra receita de R$ 28 milhões e reduz prejuízos

13/03/2017 -  A Tarde

Mesmo ainda sem a implantação plena da segunda linha, a Companhia do Metrô da Bahia (CCR Metrô Bahia) já contabilizou, no ano passado, receita de R$ 28 milhões, recursos provenientes, principalmente, da tarifa cobrada dos passageiros. Conforme previsto na operação inicial, a empresa, que investe nas obras de expansão do serviço, ainda trabalha com prejuízo, mas que em números que já começam a ser reduzidos: aproximadamente 65 milhões no ano passado, contra os R$ 94 milhões registrados no ano de 2015. 

Os números constam do relatório da administração da companhia, que foi divulgado esta semana para os acionistas, contendo o resumo das demonstrações financeiras do período. Por conta do avanço das obras da linha 2, os investimentos da companhia (custos da construção) superaram, no ano, R$ 1,6 bilhão, contra R$ 1,19 bilhão registrado no ano anterior. 

Parceria 

A concessão do metrô na Bahia se dá por meio de parceria público-privada (PPP), com investimentos totais previstos da ordem de R$ 4 bilhões, entre o Grupo CCR e o governo estadual. 

Até a conclusão da segunda linha, com previsão de extensão até Lauro de Freitas, a companhia espera gerar 8 mil empregos, entre diretos, indiretos e terceiros. No relatório divulgado aos acionistas, a companhia já contabilizava, até dezembro, “1.136 colaboradores diretos atuando na concessionária e 6.833 trabalhando nas obras e sistemas relacionados, totalizando 7.969 trabalhadores envolvidos no projeto”, como frisa o documento. 

A CCR Metrô é uma sociedade por ações de capital fechado, e subsidiária integral da Companhia de Participações em Concessões (CPC). Pelo contrato de concessão, a concessionária é responsável pela construção das novas estações e do complexo de operações e manutenção, além dos terminais de integração de passageiros e parte dos sistemas operacionais. A companhia também é encarregada da operação e manutenção da via e pela aquisição dos trens e de sistemas como o de sinalização e telecomunicações.

Expansão 

Os investimentos no sistema metroviário de Salvador e Lauro de Freitas contam também com participação dos governos estadual e federal. Inaugurado em 11 de junho de 2014, o projeto é composto por duas linhas, com total de 41 km de extensão, 23 estações e 10 terminais de ônibus integrados. Atualmente, a Linha 1 é composta por 8 estações em operação, 12 km de extensão que vai da Estação Lapa à Estação Pirajá. 

A Linha 2, com 12 estações, está em ritmo acelerado de obras, com estações já operando, em fase de testes, no Acesso Norte, Detran e Rodoviária. O término da obra está inicialmente previsto para o final deste ano. Há ainda previsão de expansão da Linha 1, de Pirajá até Cajazeiras/Águas Claras e, da Linha 2, da Estação Aeroporto até o município de Lauro de Freitas. 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

SalvadorCard, Metropasse e CCR Metrô terão seus sistemas unificados

18/02/2017 -  N1 Bahia

Facilidade

A partir deste sábado (18), os cartões de passagem de Salvador e região metropolitano terão seus sistemas unificados, de acordo com a informação foi divulgada nesta sexta-feira (17) pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps).

Com a mudança, os usuários de ônibus urbanos e metropolitanos, além do metrô, poderão utilizar um único tipo de cartão para embarcar em ambos os meios de transporte, desde que tenham crédito disponível no cartão.

Até então, o sistema dos coletivos da região metropolitana que circulam em Salvador não aceita o SalvadorCard, que é da capital. O mesmo acontece quando os usuários do Metropasse, que não conseguem utilizar coletivos urbanos e nem o metrô.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Metrô de Salvador recebe mais um trem e frota sobe para 35

17/02/2017 - Correio da Bahia

O sistema de metrô de Salvador ganhou mais um trem. Com ele a frota sobe para 35 composições, restando apenas cinco para completar o número total de trens que vão atender a demanda das Linhas 1 e 2 e garantir que, quando o sistema chegar até Lauro de Freitas, o intervalo de partida nas estações seja de até três minutos. Segundo a CCR Metrô Bahia, responsável pela operação, o trem já foi organizado no pátio da empresa em Pirajá para iniciar as fases de testes. 

Atualmente, 16 trens estão disponíveis para a operação por conta da demanda ainda ser considerada baixa em relação a capacidade do sistema. Segundo a CCR Metrô Bahia, atualmente 76 mil passageiros usam, em média, o metrô de Salvador por dia. Além dos 16 trens, que garantem um intervalo de partida de seis minutos nos horários de pico, outros dois ficam de reserva. 

Modernos 

Os trens têm diferentes tecnologias, sendo 29 deles mais modernos (série 2000): montados pela Hyundai Rotem, têm design arrojado, câmeras de vigilância, passagem livre entre carros (gangway), monitores do tipo LCD e sistema de vídeo para comunicação com o usuário, entre outras melhorias tecnológicas. Outros 6 trens, da série 1000, também da montadora coreana, já estavam em Salvador quando a CCR assumiu o projeto.


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Grupo inglês apresenta proposta para financiar implantação do VLT

31/01/2017 - A Tarde

A empresa Indico PLC, sediada em Peterborough, na Inglaterra, é até o momento a primeira e a única companhia a apresentar oficialmente uma proposta para financiar a implantação de um sistema de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) no subúrbio de Salvador. O governo baiano divulgou nesta quarta-feira, 25, o termo de compromisso da companhia no Diário Oficial, dando continuidade à um modelo inovador no país para a definição de uma Parceria Público Privada (PPP). 

"Ao invés da tradicional licitação, em que as empresas interessadas enviam sigilosamente suas intenções até a abertura dos envelopes de todos os concorrentes, estamos adotando uma forma mais transparente, com a publicização das propostas à medida em que elas foram se oficializando", explicou o secretário da Casa Civil, Bruno Dauster. 

Serão duas concorrências públicas: uma, para escolha da empresa que vai financiar o projeto, em condições estabelecidas pela Empresa Baiana de Ativos (Bahiainveste); e outra, para a seleção da construtora que vai realizar as obras e explorar os serviços posteriormente. 

Segundo Dauster, a licitação para a implantação do modal deve ser lançada até março, dando às empresas interessadas 45 dias para apresentação das propostas, a serem abertas e negociadas em uma segunda etapa na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Amanhã, o secretário e técnicos do estado estarão em São Paulo, onde farão uma apresentação na Bovespa para empresários interessados no negócio, ou para financiar a obra, ou para construção do sistema e exploração dos serviços. 

Dauster antecipou ao A TARDE que 12 companhias, envolvendo consórcios com construtoras, já procuraram o estado interessadas nas obras e exploração do VLT do Subúrbio, ou seja, para serem as concessionárias. No caso do financiamento da obra, além do fundo Indico PLC, outras duas instituições financeiras internacionais (outra da Inglaterra e uma da França) já revelaram interesse em bancar o projeto, mas até o momento não apresentaram uma proposta oficial, como já fez a Indico PLC. 

Condições 

"Se só tivermos a proposta da Indico, tanto o estado, quanto a empresa concessionária terão que aceitar as condições previstas pela companhia", explicou Dauster. A empresa propõe-se a financiar, pelo menos, US$ 466 milhões (aproximadamente R$ 1,5 bilhão, mínimo exigido), a juros de 3%, com carência de três anos e pagamento em 15. "Caso novas propostas surjam, o estado vai escolher a que for mais vantajosa quanto a juros e prazos", frisou. 

O VLT vai substituir o atual trem do Subúrbio. Terá, aproximadamente, 19 Km de extensão, com 21 paradas, ligando os bairros do Comércio à Paripe, num percurso de 40 minutos, e integração com a Região Metropolitana.


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Em Salvador, audiência pública sobre o VLT recolhe propostas de população no Subúrbio

21/01/2017  - Governo da Bahia

Uma audiência pública sobre a concessão para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), reuniu membros do Governo do Estado e a população do Subúrbio Ferroviário, nesta sexta-feira (20), no Colégio Estadual Almirante Barroso, no bairro de Paripe, em Salvador. O evento teve como objetivo esclarecer dúvidas e recolher sugestões para o processo licitatório, na modalidade de concorrência pública, para seleção da melhor proposta para contrato de Parceria Público Privada (PPP), para execução do projeto do VLT.

A audiência foi comandada pelo secretário da Casa Civil, Bruno Dauster. “O retorno foi positivo e já recebemos algumas propostas, o que nos dá a segurança de que realizaremos a obra. Faremos uma licitação e será apresentado o projeto base através de uma PPP (parceria público-privada), o vencedor desenvolverá o projeto executivo. Nossa modelagem econômica é baseada na melhor condição de financiamento que nos for oferecida, vencedor será aquela que pedir a menor cota para a execução do serviço”, explicou.

Dauster destaca ainda o impacto que a obra terá na vida da população. “É um investimento grande que vai transformar a mobilidade em Salvador e trazer uma importante melhoria na qualidade de vida dos baianos, reduzindo o tempo que as pessoas gastam para se locomover, com mais conforto, segurança e dignidade. É um projeto que afetará diretamente a vida da população, precisamos da opinião da sociedade, queremos que elas participem de forma ativa do projeto”.

A oportunidade de manter um diálogo aberto com governantes foi reconhecida pela comunidade. O professor Delcic Ferreira nasceu na região, e para ele a realização do evento demonstra a preocupação do governo com a opinião dos principais beneficiados “No passado não tínhamos oportunidade de debater questões como esta com os nossos gestores. Este diálogo não é importante apenas para a comunidade, mas para os gestores. Através desta troca eles entenderão melhor as nossas necessidades e pode responder diretamente a elas”.

Com um investimento total de R$ 1,5, bilhão, o modal vai substituir o atual Trem do Subúrbio. Ele terá aproximadamente 19 quilômetros de extensão, com 21 paradas, ligando a região do Comércio ao bairro de Paripe, num percurso de 40 minutos. A previsão de início das obras é em até 90 dias após a assinatura do contrato, com prazo para conclusão de 24 meses. Estão previstas intervenções em duas fases: a primeira, entre o Comércio e Plataforma, tem 9,4 km; a segunda, entre Plataforma e São Luiz, tem 9 km. O valor estimado é de R$ 1,5 bilhão.

Com 18,5 quilômetros de extensão e 21 estações, o Veículo Leve sobre Trilhos irá substituir o Sistema de Trens do Subúrbio. As atuais 10 estações serão desativadas e reaproveitadas para prestação de outros serviços à comunidade, como postos da Polícia Militar e centros de atendimento. Conforme o projeto, os usuários do VLT estarão integrados às linhas 1 e 2 do metrô e aos roteiros do BRT (Transporte Rápido por Ônibus) metropolitano. A perspectiva é de beneficiar mais de 1,5 milhão de moradores do Subúrbio Ferroviário.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Linha 2 do metrô/BA que liga Rodoviária a Pituaçu começa a ser testado

20/01/2017 - Correio 24h

Os testes seguirão até o fim do primeiro semestre, quando está previsto o início da operação comercial do trecho

[Foto: Camila Souza / Secom]

Quem passou pela Avenida Paralela na manhã desta sexta-feira (20) ficaram surpresos com a primeira viagem da linha 2 do metrô entre as estações Rodoviária e Pituaçu. O trem partiu por volta das 8h30 da Estação Rodoviária e percorreu 6,2 quilômetros, parando nas plataformas das estações Pernambués, Imbuí, CAB e Pituaçu.

“Essa viagem é um marco para a cidade. Pela primeira vez, a população consegue ver o metrô circular na Paralela e esse é só o início de uma revolução na mobilidade urbana que o Governo do Estado está fazendo em Salvador”, pontuou o secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, que fez a viagem ao lado do presidente da Companhia de Transporte do Estado da Bahia (CTB), Eduardo Copello, e, do presidente da CCR Metrô Bahia, Luis Valença.

Nesta primeira viagem, sem passageiros, foram avaliadas a movimentação do trem nos trilhos, possíveis ruídos e o desempenho da rede de energia, entre outros aspectos técnicos. Os testes seguirão até o fim do primeiro semestre, quando está previsto o início da operação comercial do trecho. 

A obra da Linha 2 do metrô conta com a atuação de mais de 7 mil trabalhadores, e está dentro do cronograma previsto, para ser concluída ainda esse ano. Cerca de 87% das obras das estações da Linha 2 estão concluídas. A previsão é concluir até a Estação Aeroporto até dezembro de 2017.

A estação Pernambués e as primeiras da Avenida Paralela - Imbuí, CAB e Pituaçu – já estão em fase final de retoques. Na estação de Pituaçu, a maior da Linha 2, também está sendo construído um Terminal de Integração com ônibus urbanos.

No trecho seguinte, até Mussurunga, os trilhos já estão sendo instalados e, nas estações, estão sendo efetivadas as instalações hidráulicas e elétricas, fechamento lateral e montagem dos equipamentos das salas técnicas.

As intervenções na região entre a Rodoviária e Pernambués ainda incluem a construção de uma via exclusiva para ônibus (via expressa), abrindo uma ligação direta com o Viaduto Raul Seixas e contribuindo para desafogar o trânsito no local.

Já as intervenções no canteiro da Avenida Paralela incluem a construção de dez novas passarelas ao longo da via, três novos viadutos sobre a avenida, além de reforma e adequação de passarelas já existentes.

Quando ficar pronta, a Linha 2 vai permitir que o trajeto entre Acesso Norte e o aeroporto seja percorrido em 27 minutos, passando pelas 12 estações que compõem o trecho. Seis estações terão integração com os terminais de ônibus: Acesso Norte (já em operação), Rodoviária, Pituaçu, Mussurunga, Aeroporto e Lauro de Freitas (prevista dentro do projeto de expansão da Linha 2).


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Sedur abre Consulta Pública para VLT do Subúrbio

21/12/2016 - Correio 24 Horas

A previsão é de início das obras em até 90 dias após a assinatura do contrato, com prazo para conclusão de 36 meses

Da Redação (redacao@correio24horas.com.br)

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) abriu Consulta Pública referente ao projeto de Parceria Público Privada (PPP) destinada à implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A informação foi publicada nesta quarta-feira (21), no Diário Oficial.

A Consulta é aberta a pessoas físicas e jurídicas e, segundo a diretora de Programas e Projetos de Mobilidade da Sedur, busca recolher contribuições e informações que subsidiarão a elaboração final do edital, da minuta do contrato e demais documentos apresentados.

(Imagem: Divulgação) 

Para participar, basta acessar os documentos disponíveis no site da Sedur e enviar sugestões via e-mail para vltsalvador@sedur.ba.gov.br. Os interessados poderão ainda protocolar na própria sede da Sedur, no CAB.

VLT

Com 18,5 quilômetros de extensão e 21 estações, o Veículo Leve sobre Trilhos irá substituir o atual Trem do Subúrbio. A previsão é de início das obras em até 90 dias após a assinatura do contrato, com prazo para conclusão de 36 meses.

Estão previstas intervenções em duas fases: a primeira, entre o Comércio e Plataforma, tem 9,4 km; a segunda, entre Plataforma e São Luiz, tem 9 km. O valor estimado é em torno de R$ 1,5 bilhão.

Conforme o projeto, os usuários do VLT estarão integrado às linhas 1 e 2 do metrô e aos roteiros do BRT (Transporte Rápido por Ônibus) metropolitano. A perspectiva é de beneficiar mais de 1,5 milhão de moradores do Subúrbio Ferroviário de Salvador.

Atualmente, a malha ferroviária que liga Paripe à Calçada é de 13,6 quilômetros. As atuais 10 estações serão desativadas e reaproveitadas para prestação de outros serviços à comunidade, como postos da Polícia Militar e centros de atendimento. Os equipamentos não serão utilizados para o VLT por causa das diferenças entre os modais.